Experiente em Copa Sul-Americana, Yony González pode levar Fluminense à Fase 2

Atacante colombiano tem no currículo uma semifinal e gol em final de Copa Sul-Americana. No jogo de ida contra o Antofagasta, tentou muito, mas não marcou

Nenhum outro jogador do elenco do Fluminense representa mais a alegria do que o atacante colombiano Yony González. O estilo descontraído, a coloração no cabelo, as comemorações criativas e os gols de camisa 9 pintam a esperança do torcedor tricolor. Na Copa CONMEBOL Sul-Americana, a experiência é acrescentada a esse pacote e pode ser o diferencial do Flu para o confronto decisivo contra o Deportes Antofagasta (CHI) na próxima quinta-feira no Chile. 

Depois de empatar o jogo de ida em 0 a 0 no Maracanã, o Fluminense precisa de paciência e gols, para não depender de uma decisão por pênaltis. Gols que Yony está acostumado a marcar, inclusive na Sul-Americana. Na final do ano passado, ele deixou sua marca contra o Athletico Parananense quando ainda defendia o Junior Barranquilla (COL). Acabou vice-campeão, mas foi suficiente para atrair o interesse do Flu. No ano anterior, já havia chegado à semifinal da competição. 

Na ausência de Paulo Henrique Ganso, campeão da Sul-Americana em 2012 pelo São Paulo, Yony é quem mais conhece o torneio no elenco do Fluminense. Disputou as últimas quatro edições. Em 20 jogos, marcou 4 gols, um em final. 

No jogo de ida, o colombiano não marcou, mas não foi por falta de tentativas. Ele deu cinco dos 17 chutes do Flu ao gol. Foi quem mais finalizou do time do técnico Fernando Diniz. No ano, o atacante é o vice-artilheiro do time, com seis gols em 14 jogos. Perde para seu companheiro de ataque: Luciano tem nove gols nos mesmos 14 jogos. 

Semifinalista no ano passado, o Fluminense vai desfalcando para tentar seguir na competição. O ataque, porém, está completo e pode ser o caminho para a alegria do torcedor, a alegria marcante de Yony. O Tricolor joga por empate com gols ou vitória para ir à Fase 2. 

Fechar