Jorge Pinos: de motorista a #BestOfTheMatch da final da CONMEBOL Sul-Americana

Goleiro do Independiente Del Valle estava sem clube em 2016 e trabalhou como chofer em um jornal equatoriano

O futebol virou uma incerteza para Jorge Pinos em 2016. Dispensado pelo Delfín, estava sem clube. Surgiu uma chance na Liga de Portoviejo para disputar a segunda divisão do Equador, mas pouco jogou e rompeu o contrato. Fez testes na Hungria e no Brasil. Nada, e ainda ficou sem empresário, que o abandonou.

Sem dinheiro, ele pensou que seria o fim da carreira, Recebeu uma oportunidade inusitada: ser motorista de um jornal na cidade de Manta, no Equador. Trabalhava aos fins de semana para ser escalado nas jornadas esportivas. Levava os jornalistas do diário a jogos e treinos, um consolo para seguir respirando futebol.

Três anos depois, o destino foi generoso com Pinos. Na final da CONMEBOL Sul-Americana, ele estava em campo para conduzir o Independiente Del Valle ao primeiro título profissional de sua história, e como protagonista. 

A partida estava 2 a 0 para os equatorianos, e o Colón conseguiu um pênalti a favor no segundo tempo. Alinhou-se para a batida Pulga Rodríguez, o camisa 10 dos argentinos. O chute à meia altura no canto direito parou nas palmas das mãos de Jorge Pinos.

A performance, e a defesa crucial, na vitória por 3 a 1 sobre o Colón rendeu ao goleiro o prêmio #BestOfTheMatch da final da Sul-Americana.

Depois de ganhar novas chances para voltar ao futebol, Pinos chegou ao Del Valle no início de 2019. Aos 30 anos, usa suas mãos agora para fazer história.

Assista à entrevista de Jorge Pinos, o #CraqueDoJogo:

Fechar